Projeto propõe multa e restrição a torcedor violento

A explosão de uma bomba na arquibancada do Estádio Serra Dourada, lançada por um torcedor durante partida do Goiás válida pelo Campeonato Brasileiro, resultou em penalidade para o clube, que perdeu quatro mandos de campo e ainda terá de pagar multa. Já o torcedor não sofrerá nenhuma penalidade.

É para evitar esse tipo de situação que o vereador Elias Vaz propôs projeto de lei estipulando multa ao torcedor que protagonizar ou incitar ato de violência nos estádios da capital, além de ordem de restrição durante período que dependerá da gravidade do ato. “Quando alguém mal intencionado, que se diz torcedor, troca o incentivo ao time pela violência, ele prejudica tanto o clube quanto a diversão de milhares de pessoas”, afirma Elias.

As multas podem variar de R$ 280 a R$ 6 mil, em caso de reincidência. A proposta estabelece também que, quem não pagar, será inscrito na dívida ativa do município, ficando impedido de realizar diversos atos, como prestar concurso público e obter certidões municipais. “Nossa intenção é contribuir para o fim da violência nos estádios mas, caso a lei não seja suficiente para inibir a ação daqueles que brigam e aterrorizam com bombas os verdadeiros torcedores, pelo menos ajudará a reforçar o caixa da prefeitura, o que deverá retornar ao cidadão na forma de investimentos”, explica o vereador.

A proposta, também encampada por outros vereadores, recebeu apoio e sugestões da Federação Goiana de Futebol e dos clubes goianienses. Foi por sugestão deles que o período de banimento dos estádios aumentou de 2 para 3 anos. “Isso mostra que é interesse de todos qualificar o público nos estádios e fazer deles locais de lazer para toda a família”, avalia Elias Vaz.

O projeto aguarda para ser incluído na pauta de votação da Câmara. A ideia pode ser ampliada para o interior. “Se eleito deputado estadual, vou apresentar projeto para ampliar para todo o estado o controle de acesso aos estádios”” afirma.