Mutirama, símbolo da corrupção em Goiânia

Uma obra que deveria atender a necessidade de lazer da população foi usada para superfaturamento, ilegalidades, desvio de dinheiro público e desrespeito ao cidadão.  O vereador Elias Vaz entrou na justiça contra as ilegalidades da obra do Mutirama e acionou o Ministério público e o Tribunal de Contas dos Municípios. O Parque mal começou a funcionar e tem apresentado problemas nos brinquedos, que são usados.

Na parte da obra física, a Marginal Botafogo ficou fechada 6 meses de forma desnecessária. As irregularidades comprovadas acabaram gerando suspensão das obras, multas e processos judiciais por improbidade administrativa contra o prefeito e outros envolvidos, além de muito dinheiro público escorrendo pelo ralo da corrupção.

Segundo Elias Vaz, houve dois tipos de irregularidades. Primeiro, ele denunciou falhas no processo licitatório para execução da obra física.  A licitação foi direcionada para uma única empresa, a Warre engenharia, e houve superfaturamento e desvio de dinheiro. O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito civil e pediu a paralisação da obra na justiça. A presidente Dilma Roussef, diante das denúncias, solicitou à Controladoria Geral da União (CGU) relatório do caso. Tanto MPF quando CGU concluíram que havia várias ilegalidades no processo. Durante a investigação, a Polícia Federal prendeu 5 pessoas da empresa e da prefeitura por desvios de mais de R$2 milhões.

A segunda denúncia de Elias Vaz foi em relação à compra e reforma dos brinquedos do parque. O caso que mais chama a atenção é o de uma montanha russa com quase 40 anos de uso e comprada ao valor de R$2,7 milhões, o preço de uma nova.

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) julgou todos os contratos nulos por “absoluta ilegalidade”. De acordo com técnicos do TCM, foram encontrados no parque “brinquedos usados, enferrujados e emendados”, a maioria com preços superfaturados. “Denunciei porque existiam fatos graves e indícios claros de ilegalidade. Não se pode tolerar a corrupção usando o interesse da obra pública como justificativa. A decisão do TCM comprovando as irregularidades foi muito importante, pois comprova que não faço denúncias vazias, fiz dentro do meu papel de fiscal do dinheiro público” salienta o vereador.

Veja Jornal especial sobre o Mutirama completo:

http://www.eliasvaz.com.br/2012/downloads/jornaleliasvaz.pdf

Assista comentário em: