Elias Vaz revela: portaria de supersalários de ministros, presidente e vice vai custar R$562 milhões em dois anos

O deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) descobriu que portaria do Ministério da Economia que aumenta salários do alto escalão representa um gasto de R$562 milhões até 2023. A portaria SGP/SEDGG/ME nº 4.975, de 29 de abril, acabou com o teto de R$39 mil para servidores aposentados que continuam na ativa e beneficia diretamente o presidente Jair Bolsonaro, o vice Hamilton Mourão e ministros. “É dinheiro público sendo usado para bancar privilégios para o rei e os amigos do rei”, afirma o parlamentar.

Elias Vaz já apresentou decreto legislativo na Câmara Federal para suspender a portaria. “Essa medida é claramente lesiva ao patrimônio público. Em plena pandemia, Bolsonaro resolve aumentar o próprio salário e o do alto escalão. É vergonhoso e também um desrespeito com o povo brasileiro, que passa por imensas dificuldades para colocar comida na mesa. Vamos anexar essas novas informações ao projeto de decreto e esperamos que o presidente da Câmara não coloque na gaveta. A sociedade merece uma satisfação”, destaca.

Impacto

Em resposta a requerimento do deputado, o Ministério da Economia informou que o impacto será de R$184.298.095 neste ano, de R$187.339.014 em 2022 e de R$190.448.841 em 2023. O salário de Jair Bolsonaro passou de R$39.293,95 para R$41.638,48. O de Mourão subiu de R$39.293,32 para R$63.605,03.

O novo salário de quatro ministros chama a atenção. O do general Luiz Eduardo Ramos, da Casa Civil, foi de R$39.293,48 para R$64.343,07; o do general Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), aumentou de R$39.293,48 para R$63.088,47; o do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, saltou de R$39.293,64 para R$62.053,03 e o do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, passou de R$37.685.46 para R$53.209.70. “Para aumentar auxílio emergencial, não tem dinheiro, mas para o alto escalão não falta. É imoral essa portaria”, assinala Elias Vaz.