CEI pede suspensão imediata de propaganda enganosa sobre melhorias na Saúde

Os vereadores Elias Vaz (PSB) e Jorge Kajuru (PRP) pediram a suspensão imediata de propaganda da prefeitura sobre supostas melhorias no atendimento do Ciams do Novo Horizonte. O requerimento foi aprovado hoje pela Comissão Especial de Inquérito que apura irregularidades na Saúde em Goiânia.

“É absurdo, com tantos problemas que temos revelado, inclusive a falta de insumos básicos nas unidades de saúde, como luvas e máscaras, a prefeitura gastar dinheiro, que poderia ser revertido para a população, para fazer propaganda enganosa, para propagar mentiras. É o dinheiro público sendo gasto de forma totalmente inadequada”, ressalta Elias Vaz.  Segundo ele, o dinheiro poderia ser aplicado, por exemplo, em campanhas de informação de medidas preventivas contra o H1N1.

Cuidados paliativos

Elias apresentou requerimento pedindo à Secretaria Estadual de Saúde a planilha de custos de leitos de UTI e dos chamados leitos de cuidados paliativos, que o governo estadual alega ter implantado no HGG. Por isso, segundo o titular da pasta, Leonardo Vilela, as vagas de UTI teriam sido reduzidas de 40 para 30, apesar de não ter sido feito nenhum aditivo ao contrato firmado com a Idetech, a OS que administra o hospital. “Como não foi repactuado, queremos saber o valor pago por diária porque, pelo que pesquisamos, o custo de um leito de cuidados paliativos é muito mais baixo”, explica o relator da CEI.

O vereador também pediu informações à Secretaria Municipal de Saúde sobre o contrato para oferta de vagas de UTI no HGG. “Nós queremos saber se essa mudança na característica dos leitos foi oficializada junto à Regulação do Município e se a prefeitura está fazendo o controle disso”.